Já falei desse assunto antes, mas tive uma recente experiência que me chamou a atenção. Sou coordenadora do Curso de Psicologia que vai abrir em 2020 na Unisanta e participei da Feira de Profissões pra divulgar o curso. Os alunos se aproximavam do stand, com apenas alguns livros espalhados sobre a mesa e me pediam pra falar sobre o curso.

Eu: O que você gostaria de saber mais especificamente? -Ah, não sei, me fala em geral…
-É como se você chegasse pra alguém e falasse:
-Me fala sobre você. Qualquer coisa.

Pedido muito vago!! Isso se repetiu inúmeras vezes. A segunda pergunta mais feita era sobre as áreas de atuação. O que me levou a pensar que os alunos procuram mais saber sobre o exercício profissional e menos sobre a formação. E é na formação que está o nó. São cinco anos de curso, disciplinas variadas, passando pela neurofisiologia, teoria psicanalítica, clínica da sexualidade entre tantas outras. Avaliações, estágios, relatórios, TCC.

No final da maratona tem o título de Bacharel. Aí começa a atividade profissional. Não é preciso gostar de tudo. Se você curtir uns 70% das disciplinas ta ótimo. Em todos os cursos. Tem sempre alguma coisa que não atrai a princípio. Mas prepare-se pra se surpreender, tanto durante o curso como no trabalho.

Já tinha visto num vídeo do Simon Sinek esta constatação: que na vida profissional os millenials querem chegar ao topo da montanha sem ter que subir aos poucos, como se pudessem chegar de helicóptero. Agora constato que o problema é anterior ao início da vida profissional. Tem a ver com o a formação trabalhosa, custosa, que exige transpiração e dedicação.
Sugiro pra você que está pensando que curso fazer: olhe a grade curricular de suas opções, compare de alguns cursos. São informações fáceis de obter online. Você que consegue hackear o ficante ou a namorada, que descobre onde o concorrente trabalha, onde seu crush mora, facilmente conseguirá achar essas informações. E aí, quando encontrar um professor ou coordenador de curso aproveite pra perguntar outras coisas, como seu diferencial, áreas de estágio, etc.

Ou seja, corra atrás das informações importantes, faça perguntas, investigue as áreas de trabalho e, principalmente, descubra quais as disciplinas om as quais você terá que estudar durante quatro ou cinco anos. Não fica parado esperando, tenha seus corres!

Deixe um comentário